21.9.09

Domingo em Basileia (I)


Despeço-me de Basileia. Em 2000 passei cá uns meses durante o meu doutoramento. Passei maus bocados, mas também momentos muito bons; quase podia dizer que há um eu antes e outro depois de Basileia. Principalmente no que à ciência diz respeito, mas não só. Depois sabia que de tempos a tempos cá havia de voltar, e voltei bastas vezes. Este fim-de-semana vim participar no farwell symposium do professor que sempre me recebeu e com quem sempre colaborei: a lei suíça é inexorável e, aos 65 anos, todo o cientista é obrigado a abandonar a universidade. Normalmente arrastam atrás de si todo o grupo de colaboradores, que têm então de procurar outro porto de abrigo. Um disparate, mas é assim. Por isso aqui estou, e por isso me despeço. Ontem passeei pelas ruas com um amigo, olha aqui eu costumava vir, olha lembras-te que aqui havia outra coisa, olha o rio, o Reno, o rio, o rio omnipresente, há um bocado ainda lá nadavam dois homens... Em Basileia aprendi pela primeira vez a sobreviver e a viver sozinha, a sentir saudades. Agora é Basileia que me falta.

No comments: